:::: MENU ::::
Browsing posts in: Redes

Firefox travando

Se seu firefox está travando conforme o uso, antes de fazer os passos abaixo, tente desabilitar o máximo de extensões e plugins que puder.

  1. Digite “about:config” no lugar onde você digita o endereço dos sites que acessa.
  2. Procure e ajuste o valor de network.http.pipelining para “true”.
  3. Ajuste o valor de network.http.pipelining.maxrequests para “100.
  4. Ajuste o valor de network.http.proxy.pipelining para “true”

Reinicie o firefox.

Fonte: http://www.taza.com.br/colunistas/guelaio-e-fistaile/item/657-firefox-lento?-travando?-arrume-j%C3%A1.html


Conversão para MP4 h264 com ffmpeg – MOOV ATOM

Hoje precisei alterar um sistema que pegava um vídeo com qualquer formato e o convertia para flv.
Entretanto, hoje vivemos em tempo de tablets e smartphones, e graças a Deus o adobe flash player está morrendo, e junto com ele o formato flv.

Bom agora eu preciso então converter os vídeos para o formato mp4, e como fazer isso de forma que os vídeos continuem ficando leves?

Assim:

1
#ffmpeg -i 'input.mpg' -acodec libfaac -ab 96k -vcodec libx264 -vpre hq -crf 22 -threads 0 output.mp4

ou

1
#ffmpeg -i 'input.mpg' -vcodec libx264 -vpre hq -b 1M -bt 1M -threads 0 outfile.mp4

ou

1
#ffmpeg -i test.avi -acodec libfaac -ab 128k -ar 44100 -s 704x400 -r 20 -vcodec libx264 -b 256000 -cmp +chroma -partitions +parti4x4+partp8x8+partb8x8 -me_method umh -subq 5 -trellis 1 -refs 2 -bf 1 -coder 1 -me_range 16 -g 300 -keyint_min 25 -sc_threshold 40 -i_qfactor 0.71 -bt 256000 -maxrate 4M -bufsize 4M -rc_eq 'blurCplx^(1-qComp)' -qcomp 0.6 -qmin 10 -qmax 51 -qdiff 4 -level 21 test.mp4

ou

1
#ffmpeg -y -i source.avi -vcodec libx264 -b BITRATE -flags +loop -cmp +chroma -partitions +parti4x4+partp8x8+partb8x8 -flags2 +mixed_refs -me umh -subq 5 -trellis 1 -refs 5 -bf 3 -b_strategy 1 -coder 1 -me_range 16 -g 250 -keyint_min 25 -sc_threshold 40 -i_qfactor 0.71 -bt "$vbitrate" -rc_eq 'blurCplx^(1-qComp)' -qcomp 0.6 -qmin 10 -qmax 51 -qdiff 4 -level 41 -acodec libfaac -ac 2 -ar 48000 -ab "$abitrate" -f mov out.mov

Dois detalhes:

1. provavelmente você terá que instalar a biblioteca “libx264″ para conseguir que seus vídeos sejam H264:

1
#apt-get install libavcodec-extra-52

2. os vídeos não serão buferizados, ou seja, o navegador irá fazer o download do vídeo inteiro para depois o usuário começar a assitir o vídeo.
Isso acontece porque o ffmpeg joga um tal de “Moov Atom” para o final do arquivo, e para que tudo funcione bem, este cara precisa estar no ínicio do arquivo.
Ainda estou procurando uma solução com o ffmpeg, mas a solução que consegui, testei e funcionou foi com um programinha desenvolvido em php.
Segue o link: http://code.google.com/p/moovrelocator/

Fontes:
http://webhostingneeds.com/Convert_video_to_mp4_h264_format_using_ffmpeg
http://flash.flowplayer.org/documentation/installation/formats.html


PHP + Apache + UploadProgress + Linux Ubuntu

Existe na internet vários código e ferramentas prontas para upload com progress bar.
A maior parte delas utiliza flash. Eu odéio flash.
Para isso funcionar eu tive que instalar no apache a extensão “progressbar”, mas antes de instalar no apache eu tive que instalar no linux.

Segue:

1
2
#apt-get install php5-dev
#pecl install uploadprogress

adicione a linha “extension=uploadprogress.so” no fim do php.ini – normalmente localizado em /etc/php5/apache2/php.ini

1
#/etc/init.d/apache2 restart

No php basta utilizar:

1
uploadprogress_get_info($_GET['uid']);


Instalando e configurando o noip no linux

Post original/fonte: http://www2.savant.com.br/index.php/artigos/tutoriais/26

Hoje muitos usuários de internet têm uma conexão de banda larga em casa e gostariam de poder acessar seu computador em casa mas é aí que surge um problema: normalmente a conexão internet ADSL ou cabo tem IP dinâmico e para acessar o equipamento você precisa saber qual o endereço dele. A solução é usar um serviço de DNS Dinâmico (dynamic DNS) use o noip

Vamos instalar e configurar o noip, um programa que periodicamente entra em contato com os servidores de DNS e atualiza automaticamente o redirecionamento. Você recebe um endereço no estilo “um-nome.um-dominio-a-escolher.org” que aponta sempre para seu endereço IP corrente mesmo que você reinicie o seu computador e ele obtenha um IP diferente do anterior.

O noip oferece um plano gratuito que oferece 5 computadores que você pode registrar. Após preencher o cadastro, onde você fornece um endereço de e-mail para contato, você registra um nome de host e escolhe o domínio que vai usar para este acesso. No meu caso eu escolhi o domínio no-ip.org.

Depois é só ir na seção de downloads e baixar o cliente que será instalado na sua máquina. Estão disponíveis versões para Windows, Linux e Mac. Este client deve ficar sempre em execução, a atualização do IP é feita de meia em meia hora ou sempre que você abrir o programa manualmente.

 

Vamos lá chega de bla-bla-bla e mãos à obra

Para instalar o cliente for Linux do noIP, os passos são os seguintes:

 

1 – Registre sua conta no endereço http://www.no-ip.com/newUser.php

Aproveite que você está conectado ao site do noip e já crie uma entrada de host. Clique no menu Hosts/Redirects e em seguida na opção Add Host. Você verá uma tela como esta:

cadastro-host-noip

Nesta tela preencha o nome que você quer colocar no host, escolha o domínio ao qual será associado o seu nome e mantenha o IP o jeito que estiver. Se o campo IP Address estiver vazio, vai apresentar um erro de cadastro. Quando terminar click em Create no final da página.

 

2 – Agora baixe o client for Linux na área de downloads (http://www.no-ip.com/downloads.php) para o seu computador e descompacte o arquivo. Se você quiser poderá compilar o executável, porém para ser mais fácil dentro deste pacote existe uma pasta chamada “binaries”, com os arquivos “noip2-i686″ e “noip2-x86_64″. Este é o executável que faz a atualização do IP. Você vai usar um de acordo com a versão do seu linux (32 ou 64bits). Para instalá-lo, você deve estar conectado como root ou ter uma conta com sudo habilitado. Prepare a instalação com os comandos a seguir:

1
2
3
4
$wget -c http://www.no-ip.com/client/linux/noip-duc-linux.tar.gz
$tar -zxvf noip-duc-linux.tar.gz
$cd noip-2.1.9
$cp binaries/noip2-$(uname -m) noip2

A última parte é instalar o client no seu computador, ao executar o próximo comando você verá algumas perguntas para preencher como o login o usuário, intervalo de atualização e outros.

1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
#make install
if [ ! -d /usr/local/bin ]; then mkdir -p /usr/local/bin;fi
if [ ! -d /usr/local/etc ]; then mkdir -p /usr/local/etc;fi
cp noip2 /usr/local/bin/noip2
/usr/local/bin/noip2 -C -c /tmp/no-ip2.conf
 
Auto configuration for Linux client of no-ip.com.
 
Please enter the login/email string for no-ip.com  seu-usuario-noip
Please enter the password for user 'msungaila'  ********
Only one host [seu-host-name.no-ip.org] is registered to this account.
It will be used.
Please enter an update interval:[30]  --- Enter para aceitar
Do you wish to run something at successful update?[N] (y/N)  N
 
New configuration file '/tmp/no-ip2.conf' created.
 
mv /tmp/no-ip2.conf /usr/local/etc/no-ip2.conf

Este processo copia o executável noip2 para a pasta /usr/local/bin e cria o arquivo configuração /usr/local/etc/no-ip2.conf com as repostas que você passou durante a instalação.

 

3 – Para tornar o gerenciamento mais simples, vamos criar um init script (script de inicialização) que vai permitir gerenciar o noip2 como um serviço. Crie um script /etc/init.d/noip2 com o seguinte conteúdo:

1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
37
38
39
40
#! /bin/sh
#
# noip2        Registra o endereco IP nos DNS do site noip.com
#
# chkconfig: 2345 20 80
# description: Register IP host on DNS servers from noip.com
#
### BEGIN INIT INFO
# Provides:          noip2
# Required-Start:    noip2
# Required-Stop:     noip2
# Default-Start:     S
# Default-Stop:      0 6
# Short-Description: Register IP host on no-ip.org named domain
### END INIT INFO
 
# RedHat style - descomente a linha a seguir se você está usando
# RH/Fedora/CentOS
#. /etc/rc.d/init.d/functions   # uncomment/modify for your killproc
 
# Debian style - descomente a linha a seguir se você está usando
# Debian/Ubuntu
#. /lib/lsb/init-functions       # uncomment/modify for your killproc
 
case "$1" in
 
   start) echo "Starting noip2."
          /usr/local/bin/noip2
          ;;
 
   stop)  echo -n "Shutting down noip2."
          killproc -TERM /usr/local/bin/noip2
          ;;
 
   *)     echo "Usage: $0 {start|stop}"
          exit 1
 
esac
 
exit 0

No script anterior há uma linha que carrega funções do linux. Descomente a linha correta para a sua distribuição. Defina a permissão deste script como 755. Agora você vai colocar o novo serviço para execução automática sempre que seu equipamento for ligado. Escolha um dos tipos a seguir de acordo com sua distribuição. Este comando deve ser executado com root ou via sudo.

Debian/Ubuntu

1
#update-rc.d noip2 defaults

Fedora/RedHat/CentOS

1
2
#chkconfig --add noip2
#chkconfig noip2 on

4 – Para você testar, inicie o serviço noip2 e aguarde alguns minutos. Se você fez tudo certinho, faça uma pesquisa DNS e veja o resultado:

1
2
#host seu-host-name.no-ip.org
svntoffice.no-ip.org has address 200.207.204.56

Clique aqui e faça seu cadastro no no-ip e aproveite.

Marcos Sungaila


Linux ip fixo

Para deixar seu ip fixo utlizando o linux faça o seguinte:

Abra o arquivo

1
#vim /etc/network/interfaces
1
2
3
4
5
6
7
auto eth0
iface eth0 inet static
address 192.168.0.100
netmask 255.255.255.0
broadcast 192.168.0.255
gateway 192.168.0.1 #normalmente é o ip do seu roteador
dns-nameservers 192.168.0.1 #gateway ou dns da sua conexão

Salve o arquivo:
Para salvar o arquivo utilizando vim, pressione ESC, depois digite :wq! e pressione enter.

Feito isso rode o comando

1
:# /etc/init.d/networking restart

Importante: É necessário informar ao seu servidor DHCP (normalmente o roteador) que o ip 192.168.0.100 está reservado, desta forma ele não tentará atribuir este ip a nenhuma máquina na rede.


Linux Ubuntu Server 12.04 LTS + Samba 3.6.3 + Win 7

Neste post não vou mostrar como configurar um domínio, e nem mesmo ensinar a configurar o samba, a intenção apenas é configurar o samba para que quando algum usuário do windows tentar acessar algum diretório seja exigido usuário e senha.
Este método é bom para pequenas empresas que precisam dividir seus diretórios por setores, por exemplo: financeiro, comercial, funcionário, pública, etc.
Assim conseguimos restringir o acesso aos diretórios em nível de usuário.

Extremamente importante: No meu caso quando estava configurando o samba, fique mais de 3 horas olhando e revisando o arquivo de configuração do samba, para entender porque os usuários do windows 7 não conseguiam fazer o login, e ainda não descobri :) . Mas o que eu fiz foi o seguinte:
Quando você instala o ubuntu, é solicitado que você crie um usuário, e este usuário automáticamente é inserido na lista de sudoers para que então você possa executar comandos de root, incluindo o sudo na frente. Como por exemplo sudo chmod 777 diretorio.
Eu estava configurando o samba e tudo mais através deste usuário, quando finalmente crie uma senha para root no ubuntu, e adicionei o usuário root no samba (smbpasswd -a root), tudo funcionou.
Incrível… Isso não faz o menor sentido. Mas foi isso :) .

Inslando o samba

rode o comando:

1
:#apt-get install samba

Criando usuários linux

1
:#useradd nomedousuario

Criando usuário no samba

1
:#smbpasswd -a nomedousuario

Configurando o samba

Antes de mais nada faça um backup do arquivo original

1
:#cp /etc/samba/smb.conf /etc/samba/smb.conf.bkp

abra o arquivo /etc/samba/smb.conf

1
:#vim /etc/samba/smb.conf

Vou postar aqui meu arquivo de configuração do samba e vou comentando linha por linha.

1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
[global]
    netbios name = server #como ele irá aparecer no windows
    workgroup = workgroup #grupo de trabalho ou nome do domínio, dependendo da configuração
    server string = servidor #descrição do servidor
    encrypt passwords = true
    wins support = yes
 
    log file = /var/log/samba/smbd.log #onde irá aparecer o log
    max log size = 50 # Define o tamanho do arquivo de log. Em kb
 
#aqui começa os compartilhamentos
#desta forma cada usuário terá seu próprio diretório dentro servidor
[homes]
    comment = Diretorios de usuarios
    valid users = %S
    read only = no
    create mask = 0700
    directory mask = 0700
    browseable = no
    writable = yes
#este aqui somente será manipulado por usuário que estiver no grupo financeiro e pelo usuário maria
[financeiro]
    path = /home/financeiro
    browseable = yes
    read only = no
    valid users = @financeiro, maria
    writable = yes

Salve o arquivo:
Para salvar o arquivo utilizando vim, pressione ESC, depois digite :wq! e pressione enter.

Com tudo isso pronto agora vamos testar os parâmetros no samba.
Rode o comando:

1
:#testparm

Caso tiver algum erro volte ao arquivo de configuração do samba.
Se tiver tudo ok, então reinciamos o samba.

1
:#/etc/init.d/smb restart

No windows 7

Normalmente somente com esta configuração o windows não é capaz de reconhecer o servidor na rede, e por este motivo necessitamos acessar o servidor através do ip no windows.
Clique em iniciar, e na barra de pesquisa digite \\IP_DO_SERVIDOR
Agora ele vai pedir seu nome de usuário e senha.
Sim, vão aparecer todas os diretórios compartilhados, entretanto, se você tentar acessar algum que não possui permissão o windows irá lhe solicitar a senha.

Como faço para saber o ip do servidor?
No seu servidor digite:

1
:#ifconfig

É isso aí.


Rede local com win7 com HUB :(

No último domingo (16/09/2012) precisei criar uma rede local entre 2 máquinas com windows 7, entretanto eu não possuia o cabo crossover.
Esta rede era necessária, pois meu cliente iria ter uma feira de eventos e iria usar uma impressora, sendo que a impressão seria solicita por 1 ou outro computador.

A solução

Colocar os 2 notebooks em rede utilizando um hub (era o que tinha pra hoje) e compartilhar a impressora em 1 deles.

A execução

1º o Mais fácil, conectar e instalar a impressora no notebook 1.

2º Conectar os 2 notebooks ao hub através do cabo de rede.

3º Configurar os notebooks com windows 7 com ipfixo, pois como se trata de um hub, não teremos um dhcp, para fornecer os ips dinamicamente.
ãh ipfixo…, windows 7… Como eu faço:

Siga as imagens: :)


4º Repita o passo acima para o notebook 2 mudando o ip para 192.168.1.101

5º Agora que já estão em rede você deve compartilhar a impressora no notebook 1.

6º no notebook 2 vá em iniciar e no campo de pesquisa digite \\192.168.1.100 enter

7º agora você está vendo no explorer a impressora e todas as pastar compartilhadas do notebook 1.
Clique com o botão direto do mouse na impressora e em seguida em conectar-se

Pronto.


TortoiseSVN + Putty sem necessidade de senha

Se você deseja acessar seu servidor linux através do putty ou através do SVN sem a necessidade de ter que ficar inserindo a senha, então você está no lugar certo.

1 – Acessar servidor linux pelo SSH

Se você usa windows será necessário instalar o putty (http://www.chiark.greenend.org.uk/~sgtatham/putty/download.html)

2 – Criar chave pública e chave privada

1
ssh-keygen -b 1024 -t dsa -f tortoise

Este comando irá gerar sua chave privada no arquivo tortoise e a acha pública no arquivo tortoise.pub
Assim que solicitar a senha deixe em branco

1
2
mkdir .ssh
mv tortoise.pub .ssh/authorized_keys

copie o conteúdo do arquivo tortoise
Para abrir o arquivo você pode usar o comando: 

1
vim tortoise

Salve o conteúdo do arquivo em um arquivo tortoise.ppk 

3 – Criar a chave no windows

Para tanto precisaremos do puttygen (http://www.chiark.greenend.org.uk/~sgtatham/putty/download.html)

Após instalado o puttygen siga os passos abaixo:

1 – Clique em load e selecione o arquivo tortoise.ppk

2 – Clique em “save private key” e salve o arquivo onde desejar (no meu caso eu sobrescrevi o tortoise.ppk)

4 – Configurando o Putty

Assim que o putty estiver configurado o tortoiseSVN passará a não solicitar mais senha.
Atenção: Para que isto funcione corretamente no tortoineSVN é necessário que o nome da sua Sessão no putty seja igual ao seu dominio.
Ex: nome da sessão no putty: seusite.com.br, url no tortoiseSVN deve ser:

1
svn+ssh://usuario@>seusite.com.br/home/usuario/repository/seuprojeto

1 – Com o putty aberto
Em Host Name (or IP address) insira o endereço do seu site sem o www (seusite.com.br)

2 –  No canto esquerdo navegue até Connection – Data
Em Auto-login username: informe seu nome de usuário (o mesmo do ftp)

3 – No canto esquerdo navegue até SSH – Auth
Em Private key file for authentication: selecione o tortoise.ppk

4 – No esquerdo navegue até Session
Em  Saved Sessions: digite o endereço do seu site (seusite.com.br) e clique em save

Tudo certo
Agora é só usar e abusar do SVN e Putty.


uolhost + SVN

Há algum tempo já procurava um servidor de controle de versão que não fosse de código aberto, e também nunca gostei da idéia de ter um repositório local.
Pesquisando na internet fiquei sabendo que quando você adquiri uma hospedagem do uolhost, já ganha de brinde o svn e o git (http://ajuda.uolhost.com.br/index.php?p=resposta&res=912#rmcl.)
Eu opitei pelo SVN.

Sem mais delongas, vamos configurar a bagaça.

Criando repositório SVN no uolhost

1 – Acessar o servidor do uolhost através do SSH

Se você usa windows será necessário utilizar o putty (http://www.chiark.greenend.org.uk/~sgtatham/putty/download.html)
Para acessar através do putty, insira o endereço do seu site sem o www no campo “Host Name (or IP address)” e clique em “Open”.
Assim que abrir o terminal digite seu usuário e sua senha (os mesmos do ftp).

2 – Crie um diretório de repositórios

mkdir repository —- cria o diretório
cd repository —- acessa o diretório

3 – Criar o respositório

mkdir nomedoprojeto —- cria o diretório de repositório do projeto
svnadmin create nomedoprojeto —- cria o repositório

E esta pronto o seu repositório.

Para começar a usar seu repositório com o tortoiseSVN (http://tortoisesvn.net/downloads.html) você vai deve a url é a seguinte: svn+ssh://usuario@seusite.com.br/home/usuario/repository/seuprojeto

No próximo tutorial vou mostrar como criar uma chave pública no linux para que não seja necessário ficar inserindo a senha toda vez que der um “Commit” no svn.

É isso.

Fonte: http://blogdoplastico.com/2011/04/16/criando-um-repositorio-svn-em-hospedagem-do-uolhost/